Com projeto de tratamento natural de resíduos no Centro de Pesquisa & Inovação, L’Oréal Brasil recebe prêmio global Green Solution Awards
Grupo L´Oréal

Companhia e fornecedor Phytorestore Brasil foram reconhecidos durante a Conferência Mundial do Clima (COP 23), na Alemanha, com primeiro projeto brasileiro a ser contemplado no concurso

A L’Oréal Brasil recebeu o prêmio internacional Green Solution Awards, durante a Conferência Mundial do Clima (COP 23), pelo projeto Jardim Filtrante, desenvolvido em parceria com a Phytorestore Brasil. O prêmio anual tem o objetivo de inspirar empresas com projetos pioneiros que promovem soluções de práticas ambientais e sustentáveis. Instalado no novo Centro de Pesquisa & Inovação da companhia no país, no Rio de Janeiro, o Jardim Filtrante trata águas pluviais e os resíduos industriais e sanitários de forma natural e reutiliza os líquidos para irrigação e reuso nos banheiros. A iniciativa já representa uma redução no consumo de água de cerca de 40%. A premiação ocorreu na Alemanha, no dia 15 de novembro, e essa é a primeira vez que um projeto brasileiro é reconhecido pelo concurso.

Ricardo Guisolphe, Gerente de Campus do Novo Centro, foi até a cidade alemã de Bonn para receber o prêmio e ressalta que ser reconhecida pela sustentabilidade já era uma ambição da L’Oréal Brasil desde o início das obras do prédio, que foi inaugurado esse ano. “O prêmio nos coloca como uma referência em projetos sustentáveis. Foi incrível ser destaque no meio de projetos de todos os lugares do mundo. Isso mostra que a L’Oréal está no caminho certo de respeito e cuidado com o meio ambiente”, celebrou. A disputa mundial é organizada pela Construction21 e tem como objetivo premiar projetos de construção que aliam inovação e arquitetura, mas que ao mesmo tempo contribuem para a diminuição dos impactos ao meio ambiente e preservação dos recursos naturais. Ao todo, 150 projetos de 19 países foram cadastrados no concurso.

O projeto está alinhado com as diretrizes do Sharing Beauty With All, o programa de sustentabilidade do grupo L’Oréal, que dentre as metas estabelecidas definiu o objetivo de reduzir, até 2020, o consumo de água em 60% por produto acabado.

O Novo Centro de Pesquisa e Inovaçãoda L’Oréal no Brasil foi planejado para ser um marco de responsabilidade ambiental do Grupo ao utilizar e tratar os recursos de forma consciente e estratégica. Localizado na Ilha de Bom Jesus, no Rio de Janeiro, um dos principais projetos de sustentabilidade do Centro de pesquisas é o Jardim Filtrante - implementado pela Phytorestore Brasil, fornecedora global da L’Oréal que já realizou projetos na França e China. O desenvolvimento do sistema se apresenta como uma solução para a gestão e tratamento natural dos efluentes industriais e sanitários e das águas pluviais. Além disso, o formato de jardim cria paisagens naturais ao redor do prédio.

O mecanismo representa um avanço na forma como os resíduos líquidos são reutilizados ao mesmo tempo que trata a água com um método 100% natural e sem gerar resíduos contaminados. Através de plantas depuradoras nativas, a água passa por um processo de purificação sem aditivos químicos, bactérias ou agentes de filtragem. A zona da raiz destas plantas é rica em microrganismos que transformam os poluentes em elementos que servem de alimento para as plantas, sem contaminá-las. Além da redução em 40% do gasto de água no novo prédio, o sistema também contribui para a diminuição de emissão de carbono por meio de uma biotecnologia que consegue absorver o gás carbônico.

Para Lilian Hengleng, diretora geral da Phytorestore no Brasil, o projeto ressalta uma harmonização entre o gerenciamento de resíduos e conservação ambiental: “A mesma técnica é utilizada não só para tratar efluentes, mas também para restaurar rios, lagos, parques nacionais e ecossistemas inteiros incentivando a fauna, flora, atendendo 10 dos objetivos globais da ONU (ODS) e sendo uma tecnologia com balanço positivo de redução de carbono”.