A Genética a serviço da beleza

Contando com novas ferramentas que combinam biologia molecular, tecnologia computacional e robótica, a L’Oréal alcançou um novo conhecimento sobre os mecanismos de envelhecimento da pele.

Laboratório de biologia da pele da L'Oréal

Laboratório de biologia da pele da L'Oréal

Laboratório de biologia da pele da L'Oréal

Laboratório de biologia da pele da L'Oréal

A revolução genômica


Durante mais de 10 anos, a L’Oréal focou seus esforços no estudo do modo como os genes se expressam na pele e nos cabelos, adquirindo ferramentas "ômicas". Essas técnicas, que combinam biologia molecular, tecnologia computacional e robótica, possibilitaram em 2001 decodificar o genoma humano (toda a informação no código genético). Os pesquisadores da L’Oréal aplicaram essas técnicas no estudo do envelhecimento da pele e dos cabelos, ao estabelecerem um verdadeiro catálogo de assinaturas celulares que são características das células, das suas condições e reações a diferentes tipos de estresse.

Cada pele possui sua própria assinatura molecular


Em colaboração com o Hospital Saint-Louis de Paris e a CHUL em Laval, Québec, os pesquisadores da L’Oréal fizeram diversas descobertas interessantes relacionadas à expressão genética de diferentes células epidérmicas. Eles puderam mostrar que assinaturas moleculares existem (proteínas características da pele jovem e da pele envelhecendo) e selecionaram ingredientes ativos capazes de oferecer à pele que envelhece a assinatura de conteúdo proteico da pele mais jovem. Outra observação destacada é que, em casos de agressão mecânica, a atividade dos genes em peles mais jovens e mais velhas é similar, porém, enquanto leva 5 horas para uma pele mais jovem "se reparar", leva 30 horas para uma pele mais velha fazer o mesmo. Assim, o envelhecimento seria particularmente um resultado de agressões acumuladas que não foram "reparadas" adequadamente. Este trabalho resultou em duas inovações: o sérum Génifique de Lancôme, lançado em 2009, seguido pelo Code Jeunesse de L’Oréal Paris em 2010.


Beleza Ômica