Capacitação em Comunidades locais no Brasil

Para assegurar o fornecimento responsável, a L´Oréal estabeleceu uma nova forma de parceria baseada em acordos com cooperativas locais, promovendo o desenvolvimento de comunidades como a do agricultor Roberto do Carmo

Semente do murumuru
Semente do murumuru


"Além de complementar nossa renda, o murumuru aperfeiçoou nossa visão para outros produtos, nos incentivou a nos capacitarmos e a não dependermos de um produto apenas”, explica Roberto Do Carmo, agricultor da cooperativa que fornece a manteiga de murumuru para a L´Oréal Brasil


Ao longo dos seus 34 anos de vida, Roberto do Carmo viu muita gente ir embora da vila de Urupiuna, onde mora desde que nasceu. O êxodo rural era resultado da falta de estrutura na pequena localidade, distante 18 quilômetros do centro de Bragança, município do Pará, onde vive com a mulher e dois filhos em um bucólico sítio. Os baixos preços pagos pela saca de farinha de mandioca, principal produto da região, só pioraram as condições dos agricultores.


Mas em 2010, tudo começou a mudar. Neste ano, um grupo de jovens resolveu enfrentar a situação criando a Cooperativa Mista dos Agricultores Familiares dos Caetés (Coomac). Na busca por um futuro melhor, eles passaram a criar animais e diversificar a produção, incluindo frutas e sementes oleaginosas, como andiroba e buruti. Em 2012, descobriram o murumuru, uma palmeira que nasce nas regiões de várzea da Amazônia, cuja manteiga extraida de suas resistentes amêndoas possui propriedades nutritivas, emolientes, hidratantes e antioxidantes. “Para nós, o murumuru era como lixo. Só atrapalhava durante a colheita de outros produtos, pois tem espinhos grandes e pontudos, que podem machucar bastante”, lembra Roberto.

De espinho à potencial matéria-prima


Em junho de 2012, os agricultores conheceram o potencial da palmeira que, até então, era completamente descartada por eles. E isso foi possível através do programa de Fornecimento Solidário da L’Oréal, criado para apoiar pequenos fornecedores que valorizam a biodiversidade, com zero desmatamento e a preservação da “floresta em pé”, e em total respeito às leis trabalhistas.


Em parceria com a Beraca, fornecedora de ingredientes naturais da biodiversidade brasileira, e a GIZ, agência de cooperação alemã que incentiva o trabalho cooperativo em países em desenvolvimento, a L´Oréal Brasil se comprometeu a pagar o preço justo pela matéria-prima, além de fortalecer as capacidades técnicas da cooperativa, com novos equipamentos, por exemplo, e promover práticas de colheita sustentável. Em 2013, a entrega de uma secadora de sementes aumentoubastante a produtividade (o tempo de secagem das semestes despencou de 45 dias ao sol para apenas três).


O projeto garantiu uma renda anual extra por família cooperada equivalente a mais de quatro vezes a renda per capita mensal média da região em 2014. “Além de complementar nossa renda, o murumuru nos ajudou a aperfeiçoar nossa visão para outros produtos, nos incentivou a nos capacitarmos e a não dependermos de um produto apenas”, explica Roberto. A multiplicidade das culturas é uma garantia da manutenção da biodiversidade e da parceria de longo prazo neste programa.


O progresso alcançado em tão pouco tempo, no entanto, é só o início. Com verbas próprias e doações dos parceiros, a cooperativa construiu, em novembro de 2014, uma usina de processamento em uma comunidade a 12 quilômetros do centro de Bragança, que possibilitou a produção da manteiga bruta do murumuru pelos próprios cooperados (antes, a cooperativa fazia a colheita e a secagem da semente, que era entregue a Beraca, responsável pelo processamento da manteiga, que vendia em seguida a L´Oréal Brasil). O valor agregado à semente garantiu um retorno financeiro cerca de sete vezes maior para a comunidade.


Hoje, a o murumuru beneficia 188 pessoas associadas à Coomac. Esse valor ajuda a compor suas rendas, complementadas pela produção de farinha de mandioca e pela comercialização de outros produtos florestais, como buriti, bacuri e andiroba.


Em 2013, o murumuru foi utilizado como matéria-prima pela primeira vez na linha Absolut Control, de L’Oréal Professionnel e, em 2014, na linha Fructis Óleo-Reparação Pós Química, de Garnier . Este lançamento possibilitou que a produção de murumuru ganhasse escala e aumentasse o impacto positivo na comunidade, fazendo com que a compra do ativo pela L’Oréal Brasil aumentasse 14 vezes.

Compromisso de longo prazo


Lar de quase um terço das espécies vegetais do mundo, o Brasil é fonte de diversas matérias-primas para a L´Oréal, como a manteiga de murumuru e os óleos de babaçu e pracaxi.

O compromisso da L’Oréal Brasil em apoiar o desenvolvimento e a inclusão das comunidades que valorizam a biodiversidade brasileira faz parte do pilar “Inovar de Forma Sustentável” do programa de sustentabilidade do Grupo “Compartilhando a Beleza com Todos” (em inglês, Sharing Beauty With All). Com o apoio de seus parceiros, a L´Oréal Brasil estabelece relações de longo prazo com essas comunidades, comprando os seus produtos, incentivando sua produção, qualificação e diversificação, o que evita que elas fiquem economicamente dependentes do ciclo econômico de um único produto.