"3º dia da Biodiversidade Brasileira" Destaca Inovação e Empoderamento de Comunidades no Combate ao Deflorestamentos
Pesquisa & Inovação

Evento realizado pela L´Oréal Brasil no Museu do Meio Ambiente trouxe iniciativas e estudos acadêmicos para o manejo  responsável da floresta e  reflexões sobre a nova Lei da Biodiversidade

3º DIA DA BIODIVERSIDADE BRASILEIRA” DESTACA INOVAÇÃO SUSTENTÁVEL E EMPODERAMENTO DE COMUNIDADES NO COMBATE AO DEFLORESTAMENTO

A Pesquisa & Inovação da L'Oréal Brasil realizou, no início de junho, a terceira edição do Dia da Biodiversidade. O encontro aconteceu na Semana do Meio Ambiente e reuniu executivos da Companhia, pesquisadores de universidades, representantes de órgãos públicos, empresas e fornecedores de matérias-primas, para destacar os desafios e as oportunidades no uso sustentável da biodiversidade. O objetivo foi ressaltar a importância da inovação responsável e o empoderamento das comunidades locais para a manutenção da "floresta em pé". O evento aconteceu no Museu de Meio Ambiente do Jardim Botânico, no Rio de Janeiro.

Blaise Didillon, Diretor de Pesquisa E Inovação, ressaltou grandes oportunidades para a inovação sustentável no país, através do programa de sustentabilidade global Sharing Beauty With All, em que uma das metas é ter, até 2020, 100% dos seus novos produtos oriundos de fontes renováveis. "Estamos fazendo inovação sustentável não somente porque queremos resultados nos negócios, mas porque acreditamos que temos condições de ajudar a transformar a vida das pessoas."

Durante o evento, Laurent Gilbert, Diretor Internacional de Inovação Sustentável, falou da parceria da Companhia com uma cooperativa na Bolívia para o fornecimento de quinoa, um projeto do programa Solidarity Sourcing (Fornecimento Solidário). Pesquisadores da L´Oréal descobriram que a casca do grão, anteriormente considerado lixo, contem propriedades esfoliantes. Desde 2015, a empresa possui uma parceria para o fornecimento sustentável desse ativo, criando um novo mercado para os cultivadores e provendo um benefício a longo prazo para 250 famílias.

Representantes da Beraca, empresa fornecedora de ingredientes naturais e orgânicos, mostraram como o uso sustentável da biodiversidade pode proteger a floresta. A empresa apresentou um estudo de impacto da compra de produtos oriundos da coleta de sementes de pracaxi ou de murumuru pelas comunidades. A pesquisa foi aplicada em cinco estados do Norte e Nordeste do país, demonstrando que o fomento da atividade de coleta pode contribuir para a redução de pesca fora de época e do corte ilegal de madeira.

Outro momento relevante foi a discussão sobre o novo marco legal da Lei de Biodiversidade, que passou a vigorar em novembro de 2015. A mudança favoreceu a obtenção da Autorização de Acesso, reduzindo o tempo de licença para algumas horas, no que antes podia chegar a até três anos.

Valdener Miranda, representante da ASSEMA /COPPALJ, cooperativas do interior do Maranhão, fornecedora de babaçu para marcas como The Body Shop e Elseve, contou o trabalho que vem sendo desenvolvido na cadeia do babaçu. A parceria entre a COPPALJ e The Body Shop tem mais de 20 anos. A relação trouxe à cooperativa a garantia mínima de compra anual, o preço justo e uma exposição internacional, que permitiu o fortalecimento e crescimento.  

No evento, participaram também representantes do FUNTAC e da FIOCRUZ/UNIR; empresas fornecedoras de matérias-primas, como a Solvay, Centroflora e Symrise, e Rafaela Campostrini, pesquisadora do Jardim Botânico.