Suas Perguntas

As outras seções deste site descrevem como a L’Oréal, de forma geral, avalia a segurança de todos os seus ingredientes e produtos, e como ela monitora e examina constantemente qualquer preocupação de segurança com relação a cada um de seus produtos ou ingredientes.

Contudo, também entendemos que as preocupações dos nossos consumidores são muitas vezes específicas com relação a um único tipo de produto ou a um ingrediente em particular, ou a outras questões. É por este motivo que decidimos oferecer todas as posições específicas do Grupo sobre as questões mais comumente mencionadas relativas à segurança de cosméticos, no fichário abaixo.

  • Conservantes

    • Conservantes


      O que são conservantes? Para que são usados?

      Conservantes são substâncias de origem natural ou sintética cujo papel principal é evitar a degradação físico-química e a formação de microrganismos (bactérias, levedos e fungos) em produtos cosméticos. A maioria dos conservantes são substâncias sintéticas pertencentes a diversos grupos químicos (compostos contendo alógenos, aldeídos, parabenos, éteres glicóis, ácidos orgânicos). Conservantes também são muito amplamente usados para evitar a contaminação por microrganismos em alimentos e medicamentos. Conservantes são absolutamente indispensáveis para garantir a proteção de determinadas categorias de produtos cosméticos (loções, cremes, etc.) já que a contaminação por microrganismos pode ocorrer durante a fabricação (água, ar, materiais de embalagem) ou pelo uso repetido pelo consumidor. Produtos cosméticos têm um prazo de validade longo (6 a 24 meses após a primeira abertura) e, diferentemente de produtos alimentares, são armazenados em temperatura ambiente. Um produto cosmético que foi mal protegido e contaminado pode provocar riscos de saúde para o consumidor.

      O que são os riscos potenciais?

      Apesar do papel essencial dos conservantes na proteção de produtos cosméticos, o seu benefício é regularmente contestado. Os conservantes são acusados de provocar alergias e de contribuir para o surgimento de determinadas formas de câncer, e também de serem desreguladores endócrinos. O número e a concentração dos conservantes usados em produtos cosméticos são muito limitados e estritamente controlados por inúmeras regulamentações internacionais. Os dados de segurança sobre estes conservantes são revistos com muita regularidade pelos especialistas científicos das autoridades internacionais de saúde para levar em conta os estudos mais recentes. As concentrações usadas em produtos cosméticos podem então ser ajustadas para evitar possíveis impactos na saúde dos consumidores.

      Por que a proteção dos produtos cosméticos da L’Oréal é segura?

      Usamos um número muito limitado de conservantes selecionados para determinadas categorias específicas de produtos cosméticos quando a proteção contra microrganismos não pode ser garantido por outros meios. Os conservantes e suas concentrações são rigorosamente selecionados para garantir o nível correto de proteção microbiológica do produto em estudo, em estrita conformidade com as regulamentações internacionais, ao mesmo tempo garantindo uma perfeita segurança para o consumidor.
      Também desenvolvemos uma estratégia de inovação proativa na área da proteção microbiológica das fórmulas, que consiste em: 1) sintetizar novos conservantes dotados de um perfil irrepreensível de segurança e 2) desenvolver sistemas específicos de embalagem e novas formulações que não sejam vulneráveis à contaminação microbiológica.

      Parabenos


      O que são parabenos?

      Parabenos representam uma série de conservantes amplamente usados para garantir a proteção de alimentos, medicamentos e produtos cosméticos contra a contaminação microbiológica (bactérias e fungos). Os parabenos usados em produtos cosméticos são de origem sintética, mas também existem naturalmente em alguns alimentos como as frutas vermelhas, a baunilha, a cenoura e a cebola, e em produtos alimentares preparados a partir de plantas, alguns queijos, produtos produzidos por abelhas (própolis, geleia real) e no corpo humano.

      Por que os parabenos são indispensáveis em determinados produtos cosméticos?

      Parabenos são muito úteis para garantir a proteção de inúmeras categorias de produtos cosméticos (loções, emulsões, cremes) já que são muito eficazes em baixas concentrações contra bactérias e fungos, são estáveis ao calor e agem de forma sinérgica com outros grupos de conservantes. Neste grupo, os etil e metil parabenos (cadeias curtas) são os mais amplamente usados, frequentemente em combinação, enquanto os butil e propil parabenos (cadeias longas) são menos usados.

      Quais são os riscos potenciais?

      O uso de parabenos em produtos cosméticos tem sido polêmico há vários anos. Devido à capacidade dos parabenos de se ligarem a receptores de estrógeno in vitro, os conservantes foram suspeitos de um possível efeito na reprodução em humanos e em cânceres dependentes de estrógeno, tais como o câncer de mama. A afinidade dos parabenos para o receptor de estrógeno é, contudo, aproximadamente 1 milhão de vezes mais fraca do que a do estrógeno (estradiol-17ß) presente no corpo humano e nenhum impacto sobre a saúde humana foi formalmente demonstrado até hoje.

      Por que os produtos L’Oréal que contêm parabenos são seguros?

      Os especialistas científicos de várias autoridades de saúde internacionais avaliaram muito recentemente todos os dados toxicológicos disponíveis com relação aos 4 parabenos (etil, metil, propil e butil parabenos) usados em produtos cosméticos e confirmaram que eles poderiam ser usados com toda segurança pelos consumidores, ao mesmo tempo em que ajustaram as concentrações para uso de cada um dos parabenos.
      Nunca fazemos concessões com relação à qualidade e à segurança dos nossos produtos. A proteção microbiológica é um dos componentes da qualidade e da segurança dos produtos. Os parabenos têm sido usados há várias décadas em determinadas categorias dos nossos produtos cosméticos e apenas quando isto é indispensável para garantir uma proteção microbiológica eficaz. Os produtos contêm então principalmente etil e metil parabenos, que têm um perfil de segurança particularmente positivo. As concentrações destes parabenos são rigorosamente definidas para proporcionar o nível correto de proteção microbiológica para o produto em estudo, em estrita conformidade com as regulamentações internacionais, ao mesmo tempo garantindo a perfeita segurança para o consumidor. Também desenvolvemos uma estratégia de inovação direcionada para desenvolver sistemas específicos de embalagem e novas formulações que são marcadamente menos vulneráveis à contaminação microbiológica, permitindo, portanto a limitação do uso de conservantes, incluindo os parabenos.

      Formol/formaldeído e conservantes que liberam formaldeído


      O que é o formol?

      O formol é um composto orgânico líquido conhecido com formaldeído no estado gasoso. Ele é principalmente usado como desinfetante, fixador para tecidos biológicos e conservante em produtos cosméticos, nos quais ele evita a formação de (bactérias, levedos e fungos). O formol também é dotado de propriedades endurecedoras.
      O uso de formaldeído em produtos cosméticos é altamente regulado. O composto é autorizado, de forma restrita, em endurecedores de unha e como um conservante em baixas concentrações. O uso é proibido em produtos cosméticos em forma de aerossol ou spray. O formaldeído foi recentemente incorporado, em altas concentrações, em produtos de relaxamento capilar. Os produtos não cumprem com as atuais regulamentações internacionais, estão associados a riscos para consumidores e cabeleireiros e, portanto, não deveriam ser comercializados. Os produtos são alvo de processos regulatórios por parte das várias autoridades regulatórias internacionais.

      O formaldeído está associado a riscos?

      Atualmente, o formaldeído é considerado por várias organizações científicas internacionais como estando associado ao surgimento de câncer de nasofaringe após exposição por inalação. Isto explica as restrições muito rígidas sobre o uso desta substância em cosméticos. O formaldeído em produtos cosméticos não está associado a nenhum risco para a saúde humana sob condições normais de uso.

      Os conservantes que liberam formaldeído estão associados a riscos?

      Alguns conservantes têm a característica de liberar quantidades muito pequenas de formaldeído para garantir a proteção microbiológica de produtos cosméticos. Os conservantes passaram por uma avaliação muito rigorosa de sua segurança em produtos cosméticos por vários comitês internacionais de perícia científica, que definiram as condições para o uso dos conservantes em produtos cosméticos. Os conservantes que liberam formaldeído, portanto, receberam autorizações que permitem o seu uso sem qualquer risco para a saúde do consumidor.

      Por que os produtos da L’Oréal são seguros?

      Nunca fazemos concessões com relação à qualidade e à segurança dos nossos produtos para consumidores e profissionais de beleza. Decidimos há muito tempo atrás que não usaríamos formaldeído como um ingrediente em nossos produtos, apesar das regulamentações autorizarem o seu uso. Contudo, usamos três ingredientes que liberam pequenas quantidades de formaldeído como conservantes em alguns dos nossos produtos a concentrações que são sempre inferiores aos limites regulatórios. Os conservantes e suas concentrações foram rigorosamente selecionados para garantir o nível correto de proteção microbiológica dos produtos, garantindo ao mesmo tempo a segurança e a qualidade dos nossos produtos para os consumidores.

    • Sais de alumínio


      O que são sais de alumínio? Para que são usados?

      O alumínio é um elemento químico, o metal mais abundante na crosta da terra e o terceiro elemento mais abundante depois do oxigênio e do silício. Os vários sais de alumínio são muito amplamente usados como adjuvantes em vacinas, como coagulantes no processamento da água, e em medicamentos antiácidos gástricos. Os sais de alumínio também estão presentes em alimentos e na água. Alguns sais de alumínio são muito amplamente usados em produtos cosméticos, em particular em produtos antitranspirantes. Os sais de alumínio reduzem o suor de uma forma muito eficaz e não impedem que a pele respire. A pedra de alume, que contém um sal de alumínio, é há muito tempo reconhecida como tendo propriedades antitranspirantes. As formas não solúveis do alumínio também são usadas nos pigmentos coloridos de batons e pastas de dente.

      Existe um risco associado com a inclusão de sais de alumínio em produtos cosméticos?

      A segurança dos produtos antitranspirantes que contêm sais de alumínio é um assunto que gera controvérsias. Os sais foram suspeitos de contribuir para o aparecimento de câncer de mama e da doença de Alzheimer. Os riscos potenciais foram avaliados por inúmeros grupos periciais internacionais nos últimos 10 anos (Organização Mundial de Saúde, Agência de Controle de Alimentos e Medicamentos dos EUA (FDA), Sociedade Americana do Câncer, Agência Francesa de Segurança dos Produtos de Saúde (Afssaps)). Todos os grupos de peritos confirmaram que o conhecimento atual não fornece nenhuma fundamentação para o envolvimento dos sais de alumínio usados em produtos cosméticos no aparecimento de câncer de mama e da doença de Alzheimer. Estas conclusões são perfeitamente consistentes com a capacidade muito limitada dos sais de alumínio de penetrar na pele.
      Em 2011, a Afssaps encaminhou um relatório à Comissão Europeia recomendando a limitação das concentrações dos sais de alumínio usados em produtos antitranspirantes. O Comitê Científico Europeu sobre Segurança de Consumidores está se preparando para analisar todos os dados científicos com o objetivo de indicar as condições sob as quais o alumínio pode ser usado em produtos cosméticos. Estamos contribuindo ativamente para o processo sob os auspícios da nossa associação profissional europeia (Cosmetics Europe) ao disponibilizar todos os nossos dados pertinentes.

      Por que os produtos antitranspirantes da L'Oréal que contêm sais de alumínio são seguros?

      Nunca fazemos concessões com relação à qualidade e à segurança dos nossos produtos. Até hoje, não existe uma ligação comprovada entre o uso de sais de alumínio em produtos antitranspirantes e qualquer risco para a saúde humana. Isto foi confirmado várias vezes por grupos periciais científicos internacionais. Os sais de alumínio têm sido usados em nossos produtos antitranspirantes há muitos anos em estrita conformidade com as mais altas normas de segurança e com as atuais regulamentações internacionais. A segurança dos produtos também foi confirmada pelos dados coletados no âmbito do nosso programa de monitoramento de segurança para produtos comercializados.

      Ingredientes de fragrância


      O que são ingredientes de fragrância?

      Fragrâncias são os constituintes das composições olfativas que criam a base dos grandes perfumes, eau de toilette, etc. Ingredientes de fragrância também são usados em fragrâncias para casa, para perfumar perfume produtos cosméticos e em produtos de consumo como produtos de limpeza.
      Desde os tempos antigos, o homem utiliza e negocia fragrâncias. O papel dos odores nas relações sociais e no bem-estar é bem conhecido. As composições olfativas fundamentam os odores de cosméticos e contribuem para o prazer sensorial relacionado ao seu uso.
      Os ingredientes de fragrância incluem uma série muito ampla de substâncias de origem natural (rosa, jasmim, lavanda, laranja, bergamota, etc.) ou de origem sintética.

      Por que indicar 'Fragrância' na lista de ingredientes e não o nome das substâncias?

      A criação de composições olfativas vem de uma experiência única e os perfumistas guardam zelosamente as receitas dos grandes perfumes nos quais a celebridade deles se baseia. Para cumprir com a confidencialidade necessária para a proteção do know-how industrial, a composição da fragrância não é indicada em detalhes no rótulo, com a exceção da lista de alérgenos contidos na fragrância.

      Quais são os riscos potenciais?

      A comunidade dermatológica reconhece que as fragrâncias são podem causar alergias em alguns consumidores. Em 2003, a União Europeia instituiu, nas regulamentações de cosméticos, a obrigação de indicar, na lista de ingredientes, a presença de determinadas substâncias em vez da simples palavra 'fragrância'. Ao todo, 26 substâncias consideradas como sendo as mais alergênicas devem ser mencionadas no rótulo do produto se estiverem presentes acima de um determinado limite (0,01% para produtos com enxágue e 0,001% para produtos sem enxágue). O consumidor, que está, portanto, mais bem informado, pode garantir o uso racional do produto cosmético. The Comitê Científico Europeu sobre Segurança de Consumidores analisou recentemente todos os dados científicos sobre alergias relacionadas a ingredientes de fragrância em produtos cosméticos e recomendou a extensão da lista além das 26 substâncias que atualmente devem ser mencionadas no rótulo. A Comissão Europeia está trabalhando em estreita cooperação com a indústria para definir a melhor maneira de incorporar a opinião dos peritos nos novos dispositivos de rotulação.

      Por que os produtos L'Oréal são seguros?

      Em nossas equipes de pesquisa, algumas pessoas são especificamente responsáveis por avaliar a segurança dos ingredientes de fragrância. As composições olfativas que compramos estão em conformidade com as normas da IFRA, a organização internacional que representa os produtores de composições olfativas, e passam por uma avaliação inicial de segurança feita pelo fornecedor. Além disso, as composições devem cumprir com especificações internas muito rígidas e para as quais o avaliador de segurança contribui. Depois de verificar que a composição preenche as obrigações regulatórias e os requisitos de segurança, conduzimos testes clínicos para confirmar a segurança do produto que contém a composição de fragrância. A avaliação dupla feita tanto pelo fornecedor quanto pela L'Oréal garante que os nossos produtos podem ser usados com toda a segurança.

      Glúten


      O que é glúten? A L'Oréal utiliza glúten?

      O glúten é uma mistura de substância, que consiste principalmente de proteínas, presentes nas sementes de determinados cereais como trigo, cevada, centeio e aveia. O glúten está presente em inúmeros alimentos que contêm estes cereais. Ele é usado por suas propriedades visco elásticas, particularmente na panificação.
      Não utilizamos glúten como um ingrediente em nossos produtos cosméticos. Apesar do nosso alto nível de exigências relativas à qualidade das nossas matérias-primas, pequenos vestígios de glúten podem estar presentes em algumas das nossas matérias-primas derivadas de trigo, cevada, centeio ou aveia.

      Quais são os riscos potenciais?

      A intolerância a determinadas frações de proteínas do glúten, também conhecida como doença celíaca, é relativamente comum em humanos. A intolerância é caracterizada por um mau funcionamento marcado nas paredes do intestino Delgado, o que pode interferir na absorção intestinal de alguns nutrientes essenciais, resultando assim em deficiências graves. A doença é induzida pela ingestão de alimentos derivados de trigo, cevada, centeio ou aveia. O tratamento é feito com o cumprimento, durante a vida toda, de uma alimentação sem glúten.

      Por que os produtos L'Oréal são seguros?

      Decidimos não usar glúten como um ingrediente em nossos produtos cosméticos. Vestígios de glúten em determinadas matérias-primas podem estar presentes em alguns produtos cosméticos, em proporções ínfimas. A exposição do corpo humano a estas quantidades muito pequenas de glúten não está associada a nenhum risco à saúde do consumidor, mesmo em consumidores que apresentam a doença celíaca. A ingestão, mesmo acidental, de batom contendo alguns vestígios de glúten não pode provocar efeitos adversos porque as quantidades de glúten são muito pequenas.
      Os consumidores que sabem que têm intolerância ao glúten certamente não desejam usar produtos cosméticos contendo ingredientes derivados dos cereais incriminados. Antes de escolher um produto cosmético, os consumidores podem muito facilmente verificar a ausência dos nomes em latim dos cereais envolvidos na lista de ingredientes (trigo: Triticum vulgare; cevada: Hordeum distichon; aveia: Avena sativa; centeio: Secale cereale).

      Nanomateriais


      O que é um nanomaterial?

      Nanomateriais consistem de materiais derivados de nanotecnologias moderna, nanomateriais que foram fabricados durante décadas para várias aplicações e nanopartículas que podem ser de origem natural. O ser humano sempre viveu em uma atmosfera que contém nanopartículas, sendo que a grande maioria (mais de 90%) consiste de nanopartículas inorgânicas naturais derivadas da erosão do vento e de erupções vulcânicas. Não há apenas uma definição internacional e não existem métodos harmonizados e analíticos padronizados para nanomateriais. Os nanomateriais usados em produtos cosméticos são definidos, na Europa, como materiais não solúveis e não biopersistentes fabricados intencionalmente e com pelo menos uma dimensão externa ou uma estrutura interna medindo entre 1 e 100 nanômetros (1 milhão de vezes menor do que um milímetro). Os nanomateriais tem inúmeras aplicações nas indústrias de saúde, eletrônica, aeronáutica, petróleo e gás e de cosméticos.

      Por que a L'Oréal utiliza nanomateriais em produtos cosméticos?

      Usamos um número muito pequeno de nanomateriais (incluindo o dióxido de titânio, o óxido de zinco, o negro de fumo e a sílica) quando eles contribuem para um benefício ao consumidor. O benefício pode consistir, por exemplo, em uma maior proteção contra, ou na prevenção dos efeitos prejudiciais do sol através da incorporação do nano-dióxido de titânio em produtos de filtro solar. O nano- dióxido de titânio garante uma filtragem muito eficaz dos raios ultravioleta. A nano-sílica permite a obtenção de cremes de coloração capilar que são muito untuosos. Os cremes não escorrem para os olhos ao serem aplicados.

      Quais são os riscos potenciais?

      O aumento muito marcado no uso de nanomateriais para diversas aplicações inovadoras deu origem a preocupações sociais e de saúde. Considerando as suas propriedades particulares (químicas e físicas), os nanomateriais são suspeitos de cruzarem rapidamente barreiras biológicas (membranas mucosas, pele, meninges, placenta, etc.), sendo distribuídos pelo corpo e causando efeitos adversos na saúde.
      Os poucos nanomateriais usados em produtos cosméticos não são novos produtos com ingredientes particulados. Eles têm sido usados em vários produtos cosméticos há muitos anos sem o menor problema para a saúde humana. Todos os materiais passaram por uma avaliação específica de segurança muito completa que mostrou que o perfil de segurança dos nano-ingredientes não é substancialmente diferente do das formas não nanométricas. Dados científicos robustos mostram a ausência de penetração percutânea significativa dos nanomateriais. Portanto, não há nenhum risco em particular para a saúde humana relacionado com o caráter nanométrico dos ingredientes.

      Por que os nanomateriais usados pela L'Oréal são seguros?

      Nunca fazemos concessões com relação à qualidade e à segurança dos nossos produtos. Até hoje, não há uma ligação comprovada entre os poucos nanomateriais usados em produtos cosméticos e qualquer risco para a saúde humana. As regulamentações europeias de cosméticos são as mais avançadas com relação a tratar das preocupações da sociedade sobre o uso cosmético de nanomateriais. As regulamentações altamente rigorosas exigem que o Comitê Científico Europeu sobre Segurança de Consumidores avalie e autorize os nanomateriais usados nos cosméticos. Os especialistas já formularam uma opinião positiva para o dióxido de titânio, o óxido de zinco e o negro de fumo. Os poucos nanomateriais usados em alguns dos nossos produtos passaram por uma avaliação específica de segurança em conformidade com as normas europeias. As regulamentações também exigem que os nano-ingredientes sejam claramente identificados na lista de ingredientes na embalagem. Cumprimos escrupulosamente com as regulamentações para todos os nossos produtos.

      Siloxanos


      O que são siloxanos?

      Siloxanos são compostos de baixo peso molecular, amplamente usados em inúmeros setores industriais (produtos de limpeza doméstica, artigos médicos, produtos cosméticos, etc.). Este grupo consiste de várias substâncias entre as quais siloxanos cíclicos voláteis como ciclotetrasiloxano (D4), ciclopentasiloxano (D5) e ciclohexasiloxano (D6).
      Estas matérias-primas são dotadas de propriedades físico-químicas únicas (sem odor e sem cor) que permitem que diversos desempenhos cosméticos sejam obtidos (textura sedosa e não oleosa, facilidade de aplicação do produto na pele e nos cabelos, rápida secagem do produto). Os siloxanos D4, D5 e D6 também são amplamente usados em uma grande variedade de produtos cosméticos (cuidados com a pele, maquiagem, cuidados com os cabelos).

      Quais são os riscos potenciais?

      O siloxano D4 é considerado pelas autoridades europeias responsáveis por substâncias químicas como passível de apresentar riscos para a saúde humana devido a seu potencial tóxico com relação à reprodução. As autoridades regulatórias internacionais (Canadá e Europa) avaliaram, portanto, o risco específico associado à substância em produtos cosméticos em diversas ocasiões e em todos os casos confirmaram a ausência de risco para os consumidores. O Comitê Científico Europeu sobre Segurança de Consumidores está atualmente analisando o dossiê sobre o siloxano D4.
      As autoridades regulatórias internacionais consideram que o siloxano D5 pode ser usados em suas várias aplicações cosméticas sem risco para os consumidores. A avaliação de segurança sobre o siloxano D5 em produtos cosméticos foi recentemente submetida ao Comitê Científico Europeu sobre Segurança de Consumidores pela indústria de cosméticos.
      Com relação ao siloxano D6, a avaliação de risco conduzida pelas autoridades canadenses conclui que a substância não foi associada a nenhum risco para a saúde humana.
      Os siloxanos D4 e D5 também são objeto de atenção especial no que diz respeito ao fato de que são suspeitos de se acumular e de persistir no ambiente aquático, conforme definidos pelos critérios europeus. Neste sentido, algumas autoridades regulatórias internacionais estão considerando restringir o uso dos siloxanos D4 e D5 a produtos cosméticos que não são enxaguados após o uso. As avaliações do siloxano D6 conduzidas pelas autoridades internacionais não identificaram nenhum risco específico para o meio-ambiente.

      Por que os produtos L'ORÉAL que contêm siloxanos são seguros?

      Nunca fazemos concessões com relação à qualidade e à segurança dos nossos produtos. No âmbito da nossa política de antecipação, avaliamos a intensidade e a pertinência de inúmeros sinais fracos relativos a determinados grupos de ingredientes tais como os siloxanos. Na dinâmica de inovação, conseguimos descontinuar o uso do siloxano D4 como uma matéria-prima em todos os nossos produtos há mais de dez anos.
      Monitoramos com atenção particular todos os novos achados científicos relativos à segurança humana e ambiental dos siloxanos. O nosso conhecimento é sistematicamente incorporado nas avaliações de segurança dos produtos que contêm estas substâncias para garantir que os consumidores possam usar os nossos produtos com toda a confiança. Apesar de não haver riscos para a saúde dos consumidores, estamos próximos de incorporar em nossa dinâmica de inovação o objetivo de usar o siloxano D5 apenas em produtos cosméticos que não são enxaguados após o uso.

      Filtros ultravioleta


      O que são filtros ultravioleta?

      O sol emite vários raios ultravioleta (UV) cujo comprimento de onda e intensidade variam dependendo da estação e da latitude. Os raios UVB (comprimentos de onda curtos) são os mais poderosos. Eles provocam um eritema imediato de gravidade variável (vermelhidão e queimadura). A exposição repetida aos raios UVB é responsável por vários cânceres de pele. Os raios UVA (comprimentos de onda longos) penetram profundamente na pele e são responsáveis pelo envelhecimento prematuro da pele e por algumas formas de fotodermatose.
      Os filtros inorgânicos (dióxido de titânio e óxido de zinco) refletem a luz, enquanto os filtros orgânicos a absorvem. Os vários filtros UV são frequentemente combinados em concentrações variáveis para garantir o nível exigido de proteção (fator de proteção) contra os raios UVA e UVB das linhas de produtos de filtro solar produto e garantem a fotoproteção diária nos produtos de cuidados. Estes produtos são dotados, portanto, de um benefício real para a saúde do consumidor.
      A L'Oréal inventou o primeiro filtro solar em óleo em 1935 e continua sendo líder na área da pesquisa em fotoproteção através da descoberta de novos filtros orgânicos contra os raios UVA e UVB dotados de um perfil irrepreensível de segurança.

      Do os filtros UV são suspeitos?

      Apesar do papel essencial dos filtros ultravioleta na proteção contra os danos solares e na fotoproteção diária, o seu benefício é regularmente contestado. Alguns filtros orgânicos são frequentemente acusados de provocar alergias, são chamados de desreguladores endócrinos e são suspeitos de ter um impacto negativo sobre o meio-ambiente. Os filtros inorgânicos são suspeitos de cruzar rapidamente barreiras biológicas (membranas mucosas, pele, etc.), sendo distribuídos no corpo e provocando efeitos adversos à saúde. O número e a concentração dos filtros ultravioleta em produtos cosméticos são muito limitados e estritamente controlados por inúmeras regulamentações internacionais. Os filtros ultravioleta em alguns produtos de proteção são definidos como ingredientes cosméticos em vários países, mas como medicamentos na Austrália, no Canadá e nos EUA. Os dados de segurança sobre os filtros ultravioleta são analisados muito regularmente pelos peritos científicos das autoridades de saúde para levar em conta os estudos mais recentes. Em alguns consumidores, podem ocorrer casos de alergia. Contudo, estes casos são muito raros. O conhecimento atual não mostra o envolvimento dos filtros ultravioleta usados em produtos cosméticos em efeitos adversos para humanos relativamente a danos ao sistema hormonal.

      Por que os produtos L'Oréal que contêm filtros UV são seguros?

      Usamos um número muito limitado de filtros ultravioleta inorgânicos e orgânicos em nossos produtos cosméticos e todos eles obtiveram aprovação das autoridades regulatórias internacionais após um rigoroso estudo feito por seus comitês de peritos científicos. O Comitê Científico Europeu sobre Segurança de Consumidores publicou recentemente uma opinião favorável relativa ao uso de dióxido de titânio e óxido de zinco na forma nanométrica em produtos cosméticos. Os filtros ultravioleta e suas concentrações são rigorosamente selecionados para garantir o nível correto de desempenho do produto, em estrita conformidade com as regulamentações internacionais, ao mesmo tempo em que garantem uma perfeita segurança para o consumidor. O desempenho dos nossos produtos de filtro solar e de fotoproteção diária é mais frequentemente garantido por nossos filtros orgânicos patenteados (Mexoryl SX e XL), que são dotados de um perfil de segurança irrepreensível e que não são objeto de nenhuma polêmica específica ligada à segurança.

    • Produtos de coloração capilar


      O que é uma coloração capilar?

      Colorações capilares são ingredientes básicos, naturais ou químicos, que induzem à coloração dos cabelos. A coloração capilar é um procedimento antigo, que já era usado pelos antigos egípcios, que utilizaram a hena. Dependendo do resultado esperado pelo consumidor, vários tipos de produtos de coloração capilar podem ser usados diretamente pelo consumidor ou aplicados por um profissional em um salão de cabeleireiros. A coloração pode ser a coloração oxidativa permanente clássica, a coloração permanente tom sobre tom, ou a coloração temporária ou semipermanente. A coloração oxidativa permanente combina várias colorações capilares, um agente oxidante, geralmente a água oxigenada, e um agente alcalino (hidróxido de amônio ou monoetanolamina).
      A L'Oréal inventou o primeiro produto de coloração capilar oxidativa para cabeleireiros em 1909 e continua sendo líder mundial na área da inovação, com a ajuda do maior centro mundial de pesquisa, para o qual a coloração é uma das prioridades.

      Quais são os riscos potenciais?

      Produtos de coloração capilar e tinturas capilares foram objeto de uma polêmica considerável há cerca de dez anos. Os produtos foram suspeitos de provocar um aumenta na frequência de alguns tipos de câncer. A polêmica fez com que diversos comitês científicos internacionais analisassem os dados existentes e concluíssem que este risco não existia para os consumidores. Assim como muitos produtos de consumo, como alguns alimentos, medicamentos e cosméticos, os produtos de coloração capilar podem provocar reações alérgicas. Contudo, estas reações são muito raras e em geral não são graves (quase exclusivamente dermatite de contato) e em geral são restritas ao couro cabeludo e totalmente reversíveis com a interrupção do uso do produto. As reações se devem principalmente à presença de determinados colorantes oxidativos indispensáveis para o desempenho do produto.

      Porque as nossas colorações capilares podem ser usadas com toda segurança?

      As colorações capilares estão certamente entre os ingredientes que foram os mais escrupulosamente estudados com relação à saúde humana, e são altamente regulamentadas. Todas as colorações capilares foram analisadas e suas concentrações e suas concentrações para uso foram redefinidas pelo Comitê Científico Europeu sobre Segurança de Consumidores ao longo da última década. Os nossos produtos de coloração capilar contêm colorantes que obtiveram aprovação regulatória e concentrações de parafenilenodiamina (PPD) que são pelo menos 2 vezes inferiores à concentração máxima autorizada na Europa. Nossos produtos também têm um rótulo com precauções de uso e informações específicas de segurança para informar os consumidores de que casos raros de reação alérgica podem ocorrer e que um teste de alergia cutânea deve ser realizado 48 horas antes de aplicar o produto de coloração nos cabelos. O rótulo também informa os consumidores de que o risco de alergia aumenta após ter feito uma tatuagem feita com hena preta contendo PPD. Muito claramente, os dados gerados por nosso programa de monitoramento de segurança de cosméticos mostram que a frequência máxima de irritação cutânea e de alergias não graves é de cerca de 1 caso para cada milhão de produtos de coloração capilar oxidativa comercializados. Este achado deve ser considerado à luz de alergias alimentares graves: aproximadamente 50 a 300 casos por milhão de pessoas. Os nossos produtos de coloração capilar não estão, portanto, associados a qualquer risco para a saúde do consumidor sob condições normais de uso.

      Hidróxido de amônio em produtos para os cabelos


      O que é o amoníaco?

      O amoníaco é um gás sem cor que é denominado hidróxido de amônio em solução aquosa. O hidróxido de amônio tem a característica e o odor desagradável do amoníaco em sua forma gasosa.
      O hidróxido de amônio tem uma variedade muito ampla de utilizações, como um fertilizante que fornece nitrogênio para terras agrícolas e como um agente de limpeza em produtos para casa. O hidróxido de amônio também é usado em alguns produtos para os cabelos (permanentes, colorações, alisantes capilares) por suas propriedades alcalinas e redutoras.
      Nos produtos de coloração capilar, de oxidação e descoloração, o hidróxido de amônio facilita a penetração do colorante nos cabelos, mas também são necessários para a eficácia do peróxido de hidrogênio, que só é ativo em meio alcalino. Em produtos de relaxamento e alisamento capilar, o hidróxido de amônio age na estrutura dos fios para induzir o formato desejado dos cabelos.

      Há riscos?

      As soluções concentradas de hidróxido de amônio comercialmente disponíveis são muito perigosas e podem provocar queimaduras. As soluções devem ser manuseadas com o uso de medidas apropriadas de proteção individual (luvas, proteção do rosto e dos olhos). Em doses elevadas, os valores de amoníaco podem provocar desconforto ou até irritação da pele e das vias respiratórias. As propriedades prejudiciais do hidróxido de amônio levaram os legisladores a regulamentar o seu uso em produtos cosméticos. Na Europa, a concentração máxima em um produto cosmético é de 6% e a indicação no rótulo é obrigatória acima de 2%. Sob estas condições, o uso de hidróxido de amônio em produtos cosméticos não é associado a nenhum risco para os consumidores.

      Por que os produtos L'Oréal produtos contendo hidróxido de amônio são seguros?

      Nunca fazemos concessões com relação à qualidade e à segurança dos nossos produtos para consumidores e cabeleireiros. Todas as nossas matérias-primas e produtos passam por uma avaliação de segurança muito rigorosa antes de sua comercialização. Para garantir uma perfeita segurança em condições normais de uso, indicamos precauções específicas na embalagem de alguns produtos cosméticos (uso de luvas, medidas a serem tomadas no caso de contato acidental com os olhos). Estas precauções específicas podem ser exigidas pelas regulamentações ou por nossos assessores de segurança.
      Conduzimos estudos regularmente focando em cabeleireiros profissionais para verificar o uso correto dos nossos produtos para cabelos (cumprimento das precauções de uso, uso de luvas, ventilação do salão, etc.). O cumprimento das medidas de precaução garantem o uso perfeitamente seguro dos nossos produtos contendo hidróxido de amônio tanto para os consumidores quanto para os cabeleireiros.

      PPD em produtos de coloração capilar


      O que é PPD? Para que é usado?

      A parafenilenodiamina (PPD) é uma substância usada na maioria dos produtos de coloração capilar permanente. A PPD é o único produto (com a exceção da paratoluenodiamina (PTD), que é quimicamente muito semelhante) que proporciona tintas mais escuras e que cobre os fios brancos de forma duradoura.
      A coloração oxidativa permanente é obtida com a mistura de colorações capilares como a PPD com um agente oxidante (ex: solução de água oxigenada) em proporções apropriadas para obter a tintura necessária. A mistura resultante é então aplicada nos cabelos durante o tempo adequado. A coloração permanente é a mais frequentemente usada uma vez que atende às expectativas de desempenho de cabeleireiros e consumidores.

      Quais são os riscos potenciais?

      A PPD em produtos de coloração capilar é frequentemente citada por seu potencial alérgico. Os especialistas do Comitê Científico Europeu sobre Segurança de Consumidores analisaram recentemente todos os dados científicos e confirmaram a segurança da substância em produtos de coloração capilar em uma concentração não superior a 2% na mistura final aplicada nos cabelos. Contudo, em altas concentrações a PPD pode provocar casos raros de alergia em algumas pessoas.
      Algumas tatuagens temporárias de hena disponíveis na forma de tinta preta contêm altas concentrações de PPD, de até 20%. Os produtos permanecem em contato prolongado com a pele (eles não são enxaguados como os produtos de coloração capilar), não cumprem com as regulamentações atuais e não devem, portanto, ser oferecidos aos consumidores. Uma tatuagem de hena preta aumenta consideravelmente o risco do consumidor se tornar alérgico à PPD. Consumidores que se tornam alérgicos à PPD após uma tatuagem de hena preta irão frequentemente desencadear uma reação alérgica cutânea quando aplicarem um produto de coloração capilar contendo apenas baixas concentrações de PPD.

      Por que os produtos de coloração capilar da L'Oréal contendo PPD são seguros?

      Produtos de coloração capilar e os colorantes que eles contêm, incluindo a PPD, estão entre os ingredientes e produtos cosméticos cuja segurança tem sido a mais regularmente estudada. Portanto, eles são sujeitos a um monitoramento regulatório mundial muito rígido para garantir a segurança do consumidor. Os nossos produtos de coloração capilar contendo PPD estão, é claro, em conformidade com as regulamentações cosméticas mais restritivas. Conseguimos otimizar as concentrações de PPD em nossos produtos de coloração para garantir que as concentrações estejam substancialmente abaixo do limite regulatório de 2%. Isto oferece uma garantia ainda maior de segurança aos consumidores.
      Para evitar o risco de alergia cutânea, recomendamos que se faça sistematicamente um teste de alergia cutânea 48 horas antes da coloração, em rigoroso cumprimento das instruções da embalagem e do método de uso de todos os nossos produtos. O rótulo dos nossos produtos também traz um alerta especial para pessoas que fizeram uma tatuagem de hena preta. Sob condições normais de uso, os nossos produtos de coloração capilar contendo PPD podem ser usados pelos consumidores com toda segurança.

  • Preocupações específicas

    • Alérgenos


      O que é um alérgeno?

      Alérgenos são substâncias que são estranhas ao corpo e que podem provocar, em algumas pessoais e após vários contatos, uma resposta exagerada do sistema imunológico, conhecida como uma 'alergia'. Alérgenos estão naturalmente presentes em nosso meio-ambiente e na nossa alimentação. Por exemplo, o pólen ou ácaros no pó que podem provocar asma; amendoim, camarão e morango são conhecidos por provocar reações alérgicas que podem ser graves. Finalmente, os ingredientes sintéticos podem ter um potencial alérgico. Este é o caso com alguns medicamentos, corantes, fragrâncias, etc.
      Diversos tipos de alergia devem ser distinguidos, entre os quais estão as alergias imediatas, principalmente as alergias a alimentos, que podem ser muito graves, e de contato retardado, o que provoca sintomas cutâneos (vermelhidão, coceira, etc.) que podem ser extensos a um grau maior ou menor.

      Quais são os riscos com cosméticos?

      Produtos cosméticos podem ocasionalmente provocar reações alérgicas, principalmente alergias de contato. As reações se devem à presença de ingredientes como algumas colorações capilares, conservantes e fragrâncias (vide páginas de dados). As reações são raras, geralmente restritas ao local de aplicação do produto, e totalmente reversíveis na descontinuação do uso do produto. As reações podem precisar de uma consulta dermatológica e de um tratamento apropriado.

      Por que os produtos L'Oréal são seguros?

      Todos os ingredientes que usamos em nossos produtos passaram por uma rigorosa avaliação de seu potencial alergênico. Quando avaliamos a segurança de um produto cosmético antes de sua comercialização, verificamos que os ingredientes que constituem o produto sejam usados em condições nas quais eles não provocarão alergias nos consumidores. Finalmente, verificamos a ausência de reações alérgicas conduzindo testes clínicos apropriados dos nossos produtos.
      Esta abordagem rigorosa diz respeito a todos os produtos que desenvolvemos.
      Em casos raros e para produtos muito específicos, quando um risco alérgico é conhecido e não pode ser totalmente erradicado com o estado atual de conhecimento científico e técnico, informamos os consumidores sobre o risco incorrido através do rótulo do produto e oferecemos um método de detectar o potencial alérgico antes do uso do produto. Este é o caso para produtos de coloração capilar, para os quais recomendamos sistematicamente a realização de um teste de alergia cutânea 48 horas antes da coloração (ver colorações capilares). Deve ser notado que somos pioneiros na recomendação deste teste.
      Em geral, recomendamos aos consumidores que sabem que são alérgicos para ler a lista de ingredientes no rótulo de todos os produtos cosméticos atentamente para evitar o uso de produtos que contêm os ingrediente(s) responsáveis.

      Produtos cosméticos para bebês


      Há riscos para bebês?

      Alguns produtos cosméticos são criados especificamente para atender às exigências de higiene e cuidados com a pele de bebês. Os produtos são essencialmente produtos de higiene (shampoos e produtos para banho), loções e lenços umedecidos (para o rosto e algumas partes do corpo, particularmente após a troca de fralda), e produtos de cuidados com a pele (cremes hidratantes para o rosto e corpo).
      A pele de um bebê não prematura é uma barreira cutânea muito eficaz cuja permeabilidade não é marcadamente diferente daquela da pele adulta. As atuais regulamentações cosméticas internacionais, portanto, não definem medidas específicas diferentes daquelas aplicáveis para adultos para a avaliação da segurança de produtos cosméticos para bebês. Contudo, recomendações relativas à avaliação de produtos cosméticos para crianças com menos de 3 anos de idade foram formuladas pelas autoridades francesas em 2010.
      Estes produtos cosméticos têm sido objeto de atenção particular e de vigilância intensificada por parte de diversas autoridades internacionais competentes por vários anos.

      Por que os produtos L'Oréal para bebês são seguros?

      Nunca fazemos concessões com relação à qualidade e à segurança dos nossos produtos para todos os consumidores e os bebês são objeto de uma atenção particular.
      Há mais de 15 anos, estabelecemos um estatuto específico de formulação para produtos para bebês. O estatuto controla muito estritamente a composição, embalagem e programa específico de avaliação para ingredientes e produtos destinados a bebês. O estatuto, que diz respeito a produtos para crianças com menos de 3 anos de idade, é marcadamente mais rígido do que as atuais exigência regulatórias internacionais aplicáveis a produtos cosméticos e, além disso, impõe o cumprimento de alguns princípios de formulação:
      - Os ingredientes amplamente usados para produtos destinados a bebês devem sempre ser preferidos e alguns ingredientes são proibidos.
      - Conservantes, quando absolutamente indispensáveis para garantir a proteção microbiológica dos produtos, são selecionados com base em sua alta tolerabilidade a partir de uma lista muito limitada.
      -Para produtos destinados ao bumbum, que permanecem fechados e em contato com a pele durante um longo período, são impostas precauções e restrições de segurança ainda mais rígidas sobre a escolha e as concentrações dos ingredientes que podem ser usados.
      A aplicação do estatuto interno, que incorpora um programa muito completo de avaliação de segurança, consistindo de várias etapas em adultos e depois para crianças com idade inferior a 3 anos, garante um nível de segurança muito alto para jovens consumidores em condições normais de uso.

      Duração de uso de produtos cosméticos


      A duração de uso de um produto cosmético se baseia em dois fatores complementares: a data de durabilidade mínima de um produto cosmético, ou data de validade, e a duração máxima de uso do produto após a abertura, ou Prazo Após Abertura (Period After Opening - PAO).
      Data de durabilidade mínima (data de validade)
      A data de validade é a data limite até a qual o produto cosmético, armazenado nas condições apropriadas, preenche a sua função. Além desta data, o uso não é mais garantido. A data é precedida pela declaração Prazo de validade...' e seguida pela data em si ou por uma declaração de onde a data pode ser encontrada no rótulo. A data é escrita no formato do mês seguido pelo ano (ex: 06/2014) ou pelo dia seguido pelo mês e ano (ex: 01/06/2014). As regulamentações europeias não exigem a data quando a durabilidade mínima é maior do que 30 meses. Por este motivo, a data não é indicada em um grande número de rótulos de nossos produtos cosméticos. Quando a durabilidade mínima de nossos produtos cosméticos é inferior a 30 meses, a data é mostrada no rótulo do produto, em estrita conformidade com as regulamentações.
      Duração máxima de uso após abertura (Prazo Após Abertura - PAO)
      O prazo após abertura é a duração máxima durante a qual o produto cosmético pode ser usado pelo consumidor depois da abertura do produto. Durante este período, o produto cosmético permanece em conformidade com os requisitos gerais de segurança e não sofre nenhuma deterioração sob condições normais de uso. O PAO é representado por um símbolo explícito mostrando um pote aberto de creme seguido pela duração de uso expressa em meses.
      O símbolo ao lado indica um PAO de 12 meses
      A indicação do prazo e portanto a colocação do símbolo no rótulo do produto é obrigatória somente quando a data de validade é superior a 30 meses. Em contraste, a duração não é obrigatória para determinadas categorias cujas composições são tais que não há risco de deterioração passível de afetar a segurança do produto (perfume, aerossol, spray, etc.) ou para produtos de dose uso única de uso.
      Obviamente, o PAO varia dependendo da categoria, da composição, da textura e do tipo de embalagem do produto cosmético, que pode ou não promover a exposição ao ar. Embalar um produto cosmético em um tubo permite um PAO mais longo relativamente a um pote. O PAO é geralmente de 6 meses para mascaras de cílios e delineadores, 12 meses para cremes hidratantes, produtos de filtro solar e batons e de 24 meses para esmaltes de unha, perfumes, sombras para olhos e pós.
      Recomendamos que não se use um produto cosmético após o vencimento de sua data de validade ou quando o prazo após a abertura tiver vencido.

      Desreguladores endócrinos


      O que são desreguladores endócrinos?

      A Organização Mundial de Saúde (OMS) define os desreguladores endócrinos como 'substâncias químicas de origem natural ou artificial estranhas ao corpo que podem interferir com as funções do sistema endócrino e consequentemente causar efeitos adversos à saúde em um organismo intacto ou sua progenitura'. Um desregulador endócrino é, portanto, uma substância ou mistura de substâncias que interagem com o sistema hormonal e induzem, por este mecanismo, efeitos adversos à saúde. Em contraste, substâncias que interagem com o Sistema endócrino sem a interação que induz a efeitos adversos à saúde não devem ser consideradas desreguladores endócrinos. O estudo sobre a desregulação endócrina e seu impacto na saúde humana tem sido objeto de um grande interesse da pesquisa científica uma vez que mais de 4000 artigos científicos foram publicados desde 1990. O assunto continua altamente polêmico hoje em dia. As partes envolvidas (ONGs, mídia e associações de consumidores) exigem insistentemente que as substâncias que apenas interagem com sistemas endócrinos, sem um impacto na saúde humana, sejam objeto da proibição regulatória de acordo com o princípio de precaução. Contudo, nenhuma das substâncias que são alvo desta polêmica se encaixa na definição da OMS.

      Há desreguladores endócrinos em nossos produtos?

      Nossos produtos não contêm desreguladores endócrinos conforme oficialmente definido pela OMS. Inúmeras substâncias usadas em vários setores industriais, como os segmentos químico, agroquímico, alimentar e de produtos de consumo, foram considerados como sendo desreguladores endócrinos. As substâncias são frequentemente acusadas de causar distúrbios no metabolismo, no crescimento e na reprodução, e tumores ligados a problemas hormonais devido à sua interação com o sistema hormonal. Algumas substâncias presentes em produtos cosméticos como ftalatos, triclosan e parabenos têm sido alvo de repetidos ataques simplesmente com base de uma interação conhecida com vários receptores hormonais em modelos de cultura celular. Contudo, nenhum estudo científico válido até agora confirmou que as interações hormonais provocam efeitos adversos à saúde humana.

      Como a segurança dos ingredientes pode ser garantida neste contexto?

      Incorporamos a questão dos desreguladores endócrinos na dinâmica de inovação através da nossa política de antecipação. As substâncias usadas em nossos produtos têm uma avaliação de segurança que evidencia que eles não possuem as características de desreguladores endócrinos conforme definido pela OMS. Com base na intensidade e na pertinência dos fracos sinais científicos e sociais para determinados ingredientes, podemos mesmo assim decidir não mais utilizá-los em nossos produtos, restringir o seu uso, ou restringi-los a determinadas categorias de produto, apesar das atuais regulamentações internacionais autorizarem o seu uso generalizado. Paralelamente, estabelecemos, para a seleção dos nossos novos ingredientes, uma plataforma considerável de testes preditivos, sem o uso de animais de laboratório, que permitem a detecção da capacidade de ingredientes de interagir com determinados receptores hormonais que desejamos evitar. A nossa dinâmica de inovação incorpora, portanto o princípio fundamental da antecipação no qual qualquer risco que ainda não tenha sido cientificamente comprovado ou que seja apenas percebido pela sociedade não seja negligenciado na avaliação de segurança. Isto garante que os nossos consumidores possam usar os nossos produtos com total confiança.

      Gestantes e produtos cosméticos


      Há riscos para a mãe ou o bebê?

      Nenhum estudo científico demonstrou qualquer risco em particular para gestantes ou bebês relativamente ao uso de produtos cosméticos.
      As atuais regulamentações internacionais para cosméticos, portanto, não definem medidas específicas diferentes daquelas que são aplicáveis a todos os consumidores com relação à avaliação da segurança de produtos cosméticos que podem ser usados por gestantes. Os produtos e seus ingredientes passam por uma avaliação de segurança muito rigorosa que garante um alto nível de segurança para as consumidoras e seus bebês.
      Em gestantes, a transformação do corpo pode provocar mudanças na pele, que às vezes se torna mais reativa, mais sensível e sujeito ao aparecimento de estrias. A exposição ao sol também pode provocar o surgimento de áreas pigmentadas, causando uma 'mancha de gravidez'. Portanto, é particularmente recomendado hidratar a pele durante a gravidez, evitar a exposição ao sol e usar um produto apropriado de filtro solar quando necessário.

      Por que os produtos L'Oréal são seguros?

      Nunca fazemos concessões com relação à qualidade e à segurança dos nossos produtos para todos os consumidores. Nossos produtos e ingredientes passam por uma avaliação de segurança implementada em conformidade com os mais altos padrões internacionais antes de serem comercializados. A avaliação do possível impacto dos ingredientes de produtos cosméticos na reprodução é um componente integrante da avaliação. Também analisamos a adequação da categoria do produto relativamente aos consumidores-alvo. Em casos excepcionais, poderemos alertar contra o uso de um produto por gestantes, usando um rótulo específico, quando a nossa análise o exigir (produtos de emagrecimento).
      Monitoramos de perto os desenvolvimentos científicos e a posição das autoridades de saúde quando ingredientes específicos geram questionamentos.
      Para exemplificar, a ingestão alimentar excessiva de vitamina A durante a gravidez pode ser prejudicial ao desenvolvimento correto do feto. Assim, algumas agências regulatórias (França e Alemanha) questionaram de forma apropriada a segurança no uso de derivados de vitamina A (retinol, retinil palmitato, retinil acetato) em produtos de cuidados faciais para gestantes. Com base em todos os dados compilados pela indústria cosmética, as autoridades regulatórias concluíram que a exposição à vitamina A associada com o uso de produtos cosméticos contendo derivados de vitamina A nas concentrações usuais não foi associado a nenhum risco para gestantes.

      Comercializamos produtos cosméticos que podem ser usados com toda segurança por gestantes, sem danos ao bebê.

      Sempre aconselhamos os nossos consumidores a respeito de questões específicas relativas ao uso dos nossos produtos durante a gravides para consultarem a opinião de seu médico ou ginecologista.

      Vestígios de metais pesados


      O que são metais pesados?

      'Metais pesados' são oligoelementos metálicos associados à toxicidade humana ou ambiental. Ao mesmo tempo em que não há uma definição técnica ou científica ou nenhuma lista específica, oligoelementos como chumbo, arsênio, cádmio, mercúrio, cromo, níquel, selênio, antimônio, bário e cobalto são considerados metais pesados. Metais pesados estão presentes na crosta da Terra. Alguns estão presentes na água, no ar e nos alimentos e são sujeitos a um monitoramento especifico. Alguns oligoelementos metálicos (selênio, cobre, cromo III) são essenciais em baixas concentrações para as funções de organismos vivos, incluindo seres humanos. Uma deficiência de alguns oligoelementos pode também provocar danos graves à saúde.

      Porque há vestígios de metais pesados em produtos cosméticos?

      Metais pesados não são usados como ingredientes em produtos cosméticos. Alguns oligoelementos metálicos são proibidos pelas atuais regulamentações internacionais. A de quantidades muito pequenas de vestígios de metais pesados é, mesmo assim, tolerada em produtos cosméticos na medida em que não sejam prejudiciais à saúde humana. Os vestígios muitas vezes se originam de impurezas em algumas matérias-primas sintéticas ou naturais (colorantes, pigmentos, materiais opalescentes) ou do processo de fabricação, armazenamento ou embalagem do produto. A presença destes vestígios é considerada inevitável a nível técnico. A presença de vestígios de chumbo é frequentemente o tema de uma atenção particular.

      Quais são os riscos potenciais?

      Quando metais pesados são absorvidos continuamente através da alimentação e da água, ou ao respirar um ar altamente poluído, os metais pesados podem se acumular gradualmente no corpo humano, causando uma intoxicação grave e várias doenças crônicas. Assim, a ingestão excessiva de chumbo provoca a intoxicação por chumbo, enquanto o cádmio pode causar lesões nos rins e no fígado. A forma do cromo é altamente carcinogênica, enquanto a forma III é um oligoelemento essencial.

      Como os níveis de metais pesados em nossos produtos cosméticos são controlados?

      Não usamos metais pesados como ingredientes em nossos produtos cosméticos. Para controlar a presença de vestígios inevitáveis de metais pesados em alguns produtos, foi implementado um programa de larga escala para a seleção e caracterização analítica das nossas matérias-primas suscetíveis. Também controlamos os nossos processos de fabricação. Também pedimos aos nossos fornecedores de matérias-primas para cumprir com normas muito rígidas para os principais metais pesados que possam estar presentes. Obviamente, cumprimos com as atuais regulamentações internacionais, que definem as concentrações máximas de alguns metais pesados, que não devem ser excedidas em produtos cosméticos. Sempre usamos limites inferiores àqueles que foram definidos pelas regulamentações.
      Para exemplificar, os vestígios de chumbo que podem continuar presentes em alguns dos nossos batons são extremamente pequenos e não estão associados a nenhum risco à saúde do consumidor. Os vestígios de chumbo relacionados à aplicação de um batom constituem uma quantidade de 500 a 1000 vezes inferior à quantidade derivada da ingestão diária de água potável.